Hibridação geotermia e biomassa

Tais sistemas são constituídos por uma bomba de calor geotérmica  a fim de captar a energia da terra e uma caldeira a biomassa para a produção de água quente ou de aquecimento, da forma mais eficiente em qualquer momento.
A bomba de calor geotérmica capta a energia da terra e a da para o circuito de aquecimento ou tanque de água quente doméstica, altamente eficiente, mais eficiente quanto mais baixa a temperatura desejada.
A caldeira de biomass transfere o calor gerado para o circuito de aquecimento ou água quente sanitária de forma menos eficiente do que a bomba de calor geotérmica, com excepção das instalações a atingir temperaturas acima de 60ºC, situações em que a bomba de calor perde a sua eficácia, enquanto a caldeira a preserva, evitando assim a utilização de resistência eléctrica utilizando a hibridação da bomba de calor geotérmica e a caldeira de biomassa.
Neste tipo de hibridações a caldeira é mantida pela bomba de calor. A ligação dos dois dispositivos têm de ser realizada em série, de modo que se a temperatura requerida é inferior a 60ºC opera exclusivamente a bomba de calor e, se a temperatura necessária é superior a 60ºC começa a operar a caldeira, a fim de elevar a temperatura da água de 60ºC para a temperatura necessária para a instalação. Isto graças a um controlo preciso da temperatura de fluxo de cada um dos equipamentos (tecnologia Ecoforest).
Essa hibridização torna-se importante nas aplicações que exigem alta produção de água quente em temperaturas acima de 60ºC. Devemos ter isso em conta, também nos casos em que a potência média anual é entregada pela bomba de calor, cobrindo pequenos picos (em qualquer mês do ano) com uma caldeira pde biomassa de baixa potência, reduzindo o investimento em poços geotérmicos, entre outras coisas.